Infantrilhos

Somos um grupo de amigos residentes no Infantado, concelho de Loures, unidos pela vontade e pela paixão da prática do BTT, desde 1996, em busca de momentos intensos de aventura, convívio e descoberta do melhor que a natureza nos tem para oferecer.

terça-feira, abril 25, 2006

Evasão e...Liberdade

Antes da descrição da volta, uma humilde e singela homenagem aqueles que ousaram dizer não e lutar pela liberdade de expressão e pela democracia. As memórias (a minha incluída, tinha 6 anos!) são certamente muito curtas (lembro-me dos desfiles e da alegria nas ruas), e passados já mais de 30 não são tão fortes como o legado que esse dia nos deixou. Bem, sobre a volta, por caminhos já pedalados, mas sempre com um combinação diferente. Mais uma vez uma subida à central, exactamente pela mesma opção relatada na crónica anterior, mas desta vez sem lama, e em o Filipe, todavia com 2 detalhes que merecem referência; 1- no tal single track, uma pedra oculta pela vegetação, a juntar ao baixo centro de gravidade da bike do Pedro Marques, provocaram uma queda ligeira, todavia espectacular, uma vez que o Pedro foi aos tombos, ribanceira abaixo, parando apenas numa árvore que "apareceu" ali para ajudar. 2-na subida, algo dura, um dos dois jovens amigos, recém integrados no grupo, sentiu as agruras do ácido láctico (diagonóstico do Dr Paulo Sousa) e foram forçados a desistir. Estavam a treinar para a maratona de Portalegre...boa sorte pá! Daí em diante é o carrossel do costume, com o Chicken Little (Pintainho para os amigos) a puxar sempre para tudo o que é subida, caramba rapaz! Ah e reclamava que parávamos muito e tal, para conversar...claro! É assim e acho que sempre foi! Mais uma vez digo que a bicicleta é só o pretexto! Bem, depois da central o caminho "normal" até Fanhões, a subida ao campo de tiro e às ruinas do Forte lá no alto para seguir por esse trilho, sobranceiro ao Freixial, até que... eis que é chegada a altura de subir ao cabeço de Montachique. Aí vai ele a "dar às asas" tal era o ritmo da subida. Eu, o Anibal e o Paulo, tentámos outra vertente, mais radical quanto ao terreno, porém (sim confesso!) mais ligeira na inclinação e portanto mais fácil. Já na descida encontrámos o Hugo que lá teve que reduzir o andamento, pelo menos até Lousa. Quando começámos a subir para Carcavelos lá foram o Hugo e o Pintainho a voar trilho acima e nós na nossa toada "normal". Descida "no prego" até Ponte de Lousa e regresso a casa via Murteira. E passou-se mais uma manhã, neste caso de 25 de Abril. Abraço PB nota: palavra de regozijo para o regresso do Paulo Sousa, após o acidente da clavícula há 9 meses. O homem está a recuperar...aos poucos!

1 Comments:

At 10:05 da manhã, Anonymous Pintainho said...

Eh, eh…
É complicado “fazer andar” a "Brigada da Cannondale"!
Não sei se tive algum problema no conta Km, mas quando fui ver os dados, verifiquei que a extensão da volta tinha sido de uns míseros 23 Kms a uma incrível média de … 8,5 Km/hr!! Leram bem!! 8,5!! Horrível!! A mais baixa média de que me lembro! Alguém obteve dados diferentes?
Mas o giro foi bem divertido, com as picardias do costume e os habituais comentários de saudável escárnio!
Sobre as paragens … acho que desta vez foram em número excessivo! Até aparecer o Hugo fui sempre a penar com frio! Nas voltas nocturnas, normalmente, vou mais quentinho! Eh, eh… Para a próxima … levo a samarra!
Também teve piada ver alguns dos “canhões” a atalharem quando as coisas empinavam. À questão do Borges sobre quem tinha optado por subir ao alto do Cabeço respondo agora … … … não me lembro bem …
Vieira, tens de arranjar uma máquina melhorzita! Já olhaste para a minha?
Pirata, devias voltar às drogas! Estás a andar muito devagarinho!
A ver vamos o que farão os dos “canhões” no Socorro…

Little Chicken

 

Enviar um comentário

<< Home